bbrbet mines -Nesta semana, no dia 13, o Senado aprovou a medida provisória que transforma o programa Minha Casa,

Movimento Morabbrbet mines -dia e Minha Casa, Minha Vida

Nesta semana,bbrbet mines - no dia 13, o Senado aprovou a medida provisória que transforma o programa Minha Casa, Minha Vida em lei. Na atual proposta, 5% dos recursos da política habitacional serão usados para financiar a retomada de obras paradas. Além disso, pessoas em situação de rua, mulheres chefes de família e famílias com pessoas com deficiência, entre outros segmentos, devem ter prioridade.

Continua após publicidade

A avaliação inicial de organizações sociais e especialistas na área é que os governos neoliberais desde 2016 congelaram os programas de moradia, e Bolsonaro simplesmente acabou com o programa, substituindo-o por um ineficiente Casa Verde e Amarela.

Já em comparação com o Minha Casa, Minha Vida 1 e 2, análises apontam que o programa atual terá maior preocupação com acesso das construções a equipamentos públicos. Na área urbana, a faixa 1 é destinada a famílias com renda mensal bruta de até R$ 2.640. A faixa 2 é para renda familiar até R$ 4,4 mil e a faixa 3 para até R$ 8 mil. As experiências anteriores, de fato, não conseguiram alcançar as cerca de 6 milhões de famílias no Brasil com urgência de moradia e a faixa de renda de 0 a 3 salários mínimos.

Leia mais: Novo Minha Casa, Minha Vida une 'gregos e troianos' em prol de impulso econômico e empregos

Mas ainda é necessária a ampliação dos projetos coordenados por organizações populares, e não apenas aqueles com construtoras do ramo. "É preciso ampliar a participação do Minha Casa, Minha Vida Entidades e do módulo Rural", afirma Evaniza Rodrigues, arquiteta e integrante da União Nacional por Moradia Popular (UNMP)

Moradia popular

Neste momento, a pergunta-chave é como se dará a construção de moradia popular. Áreas de ocupação recentes e movimentos populares conseguirão acessar o financiamento, conformar entidades para a construção dos projetos e, principalmente, ter a mediação do poder público para acesso a áreas?

Apenas em Curitiba e região existem ao menos 14 áreas de ocupações recentes, articuladas na campanha Despejo Zero, e cerca de 4,5 famílias. O módulo do programa Minha Casa, Minha Vida Entidades permite que cooperativas ou associações inscrevam e coordenem projetos para financiamento. Entre os critérios para acesso ao recurso está experiência na área de moradia popular para construções acima de 100 unidades.

:: Uso de imóveis existentes pelo MCMV é avanço no direito à cidade, dizem especialistas ::

Na opinião de Evaniza, o módulo Entidades é importante porque trabalha com a organização comunitária, renda, vida do bairro, além de ser produzida sem lucro. "Hoje existe no país uma quantidade de organizações populares que já mostraram possibilidade de vitória nesse processo, com gerenciamento da obra e depois organizar o pós ocupação", aponta.

Cogestão ou autogestão?

No módulo Entidades, as construções se dividem em cogestão e autogestão (veja abaixo). Organizações e especialistas ouvidos pelo Brasil de Fato Paraná apontam o necessário enfoque na autogestão, para que o programa não se concentre apenas na execução por parte de grandes construtoras.

Margareth Uemura, coordenadora da articulação BR Cidades e diretora do Instituto Pólis, aponta que a autogestão é necessária em vista dos problemas de parcerias com a iniciativa privada. "Outra questão importante é destinar áreas públicas federais para atender às famílias mais vulneráveis do déficit, faixa 1, para que não estejam colocadas Parcerias Público-Privadas (PPPs), que de públicas não têm nada. O poder público tem a obrigação de atender as faixas mais necessitadas e as demandas populares", aponta.

Problema do acesso ao terreno e mediação do poder público

De acordo com os movimentos, a responsabilidade do poder público na mediação e busca de alternativas para as áreas de ocupação é fundamental. Há grande expectativa entre movimentos populares e novas áreas de ocupação, surgidas na crise social da pandemia. "Há que ter algum mecanismo de prefeitura, governo estadual e federal para regularizar a situação dessas áreas", afirma Uemura.

:: Entenda por que o MCMV Entidades precisa ganhar espaço no novo programa habitacional do governo ::

O apontamento de que imóveis abandonados, subutilizados ou com dívida de IPTU exigem medidas de desapropriação por parte do poder público.

"O problema é o poder público se disponibilizar no sentido de adquirir esses imóveis. Há imóveis ocupados que não são de propriedade pública, mas apresentam dívidas", completa.

Dificuldades

Um encontro realizado nos dias 9 e 10 de junho na cidade de Guarapuava (PR), convocado pela União Nacional por Moradia Popular (UNMP), apresentou experiências de construção de habitação popular em Londrina, Curitiba, Cornélio Procópio, Ponta Grossa, entre outras. Os participantes compuseram um panorama sobre os critérios para formação de entidades voltadas à obrigatória apresentação de projeto para as construções de unidades habitacionais.

Lideranças comunitárias reconhecem que, ao olhar para o programa nos períodos anteriores, é preciso participação maior das entidades sociais. "Já tivemos 17 unidades nossas habilitadas, mas apenas 3 conseguiram concluir a construção", reflete Maria das Graças Xavier, Coordenadora da União Nacional por Moradia Popular no Paraná.

O que é autogestão e cogestão

A autogestão é o uso exclusivo de meios próprios da entidade ou dos beneficiários para a gestão da produção das unidades habitacionais, conjugadas ou não com a contratação de profissionais ou empresas para execução parcial dos serviços. Pode lançar mão também de práticas de mutirão, por exemplo. Já a cogestão faz uso de empresa do ramo da construção civil para produção total das unidades habitacionais. Nesse regime, a entidade contrata empresa para execução total das obras e serviços por preço certo e total.

Fonte: BdF Paraná

Edição: Frédi Vasconcelos


Relacionadas

  • Novo Minha Casa, Minha Vida une 'gregos e troianos' em prol de impulso econômico e empregos

  • Em audiência com autoridades, movimentos do campo e da cidade cobram direito à terra e moradia

  • Fila da Cohapar pode levar 116 anos para chegar ao fim

  • Conferência popular debate saídas para a falta de moradia em Curitiba

Outras notícias

  • Presidente do TJPR diz que não é momento para ações de reintegração de posse

  • 'Presidente do BC não é dono do Brasil', diz Lula ao sancionar Minha Casa Minha Vida

  • Goiânia cria protocolo para remoção de famílias sem teto

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap