lobo888 -Nesta segunda-feira (17), Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, acontece o lançamento nacional

Jornada Universlobo888 -itária em Defesa da Educação

Nesta segunda-feira (17),áriaemDefesadaEducaçãlobo888 - Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, acontece o lançamento nacional da Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA) que completa 10 anos em 2023. No Distrito Federal o lançamento será realizado no campus UnB de Planaltina, às 17h, no Auditório Augusto Boal.

Continua após publicidade

A Jornada Universitária em Defesa da Reforma Agrária (JURA) ocorre entre os meses de abril e maio, em várias Universidades Federais, Estaduais, Particulares e Institutos de Ensino por todo o Brasil. O objetivo é buscar visibilidade para ações de luta pela terra e dialoga com a data do dia 17 de abril, no qual o MST denuncia a impunidade do massacre de Eldorado do Carajás, ocorrido nessa mesma data, em 1996, e que resultou no assassinato de 21 trabalhadores rurais sem-terra.

A professora da Universidade de Brasília (UnB), Clarice Aparecida dos Santos, uma das organizadoras da Jornada, explica a importância de levar esse assunto para dentro das universidades. "As Universidades são instituições públicas, marcadas como espaços democráticos de debate, circulação e produção de conhecimento sobre as questões que interessam ao país e à sociedade. A reforma agrária é uma dessas principais questões porque se refere às temáticas da terra e dos territórios e sobre a forma como são ocupados e seu uso para o desenvolvimento do País. Nesta perspectiva, a Reforma Agrária Popular apresentada pelo MST, como o projeto de reforma agrária que o Brasil precisa, traz consigo o tema definitivo da produção de alimentos para o enfrentamento da fome e de alimentos saudáveis como direito do povo", observa.

:: 'Abril Vermelho': como a Reforma Agrária Popular pode contribuir na superação da fome?nbsp;::

De acordo com a professora Clarice, na UnB o debate sobre a reforma agrária atravessa um conjunto de ações desenvolvidas por diferentes cursos e programas, a exemplo do Núcleo de Estudos Agrários (NEAGR/CEAM), que oferta a terceira edição de uma disciplina chamada "Experiências Históricas de Reforma Agrária no Mundo". Além desta, o tema compõe a matriz curricular do Curso de Licenciatura em Educação do Campo, o Curso de Especialização em Educação do Campo e do Mestrado em Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural (MADER). "E temos um grupo coeso de professores(as) desenvolvendo vários Projetos de Pesquisa e Extensão desenvolvidos em parceria com o MST/DF e seus acampamentos e assentamentos", observa.

Clarice também acredita que, após quatro anos de governo Bolsonaro, esse novo tempo será marcado pela retomada de políticas públicas e novos desafios. 

"Mesmo durante a pandemia e os anos sombrios do governo que passou, a luta pela Reforma Agrária enfrentou as questões que a história lhe colocou. O MST aprofundou suas práticas promovendo uma inédita campanha de solidariedade no país compartilhando mais de 10 mil toneladas de comida de verdade, construindo 250 cozinhas comunitárias, expandindo a rede de Armazéns do Campo e direcionando mais de 15 mil toneladas de alimentos para a merenda escolar. Esse novo tempo que se anuncia compreendemos como um tempo de retomada das políticas públicas, as destruídas e as ameaçadas de destruição, como é o caso do PAA, das compras de produtos da agricultura familiar pelo Pnae e do Pronera, principalmente, mas também o enfrentamento do analfabetismo e da baixa escolaridade ainda presentes no campo brasileiro", afirma.

:: Paulo Teixeira assume Desenvolvimento Agrário com papel estratégico no combate à fome ::

Neste novo momento do país, para Clarice dos Santos, o principal desafio que se coloca, nesta interseção entre os movimentos sociais de luta pela reforma agrária e as universidades "é o incremento no orçamento público para o financiamento de cursos em nível médio-técnico e em nível superior e pós-graduação para a formação humana e técnica necessária na produção de alimentos saudáveis, nas ciências envolvidas na comercialização e abastecimento, mas também nas áreas da saúde e da cultura. Para esses desafios, as instituições de ensino superior estão capacitadas e imbuídas de grande esperança". 

Apesar dos desafios, as perspectivas para o futuro é de persistência na luta pela Reforma Agrária Popular.

"As perspectivas são de que tenhamos muito trabalho, muito a reconstruir e construir também muitas iniciativas novas, que permitam que tenhamos saltos significativos em preparação das novas gerações que terão a tarefa de levar adiante o que construímos até aqui, nestes 40 anos de luta pela reforma agrária, agora nos desafios de implementação da Reforma Agrária Popular, destaca a professora. 

:: Clique aqui para receber notícias do Brasil de Fato DF no seu Whatsapp ::

Fonte: BdF Distrito Federal

Edição: Flávia Quirino


Relacionadas

  • Jornada de abril: MST ocupa 8 latifúndios em PE, área da Suzano no ES e Incra em MG, CE e DF

  • Massacre de Eldorado do Carajás: 27 anos depois, movimentos denunciam novas &39;milícias rurais&39;

Outras notícias

  • Frente Parlamentar pretende levar reforma agrária para o centro da discussão no DF

  • Entenda por que quando o MST faz uma ocupação não é o mesmo que invasão

  • Caminhões de alimentos para quem tem fome: MST doa 67 toneladas no Paraná

BdF
  • Quem Somos

  • Parceiros

  • Publicidade

  • Contato

  • Newsletters

  • Política de Privacidade

Redes sociais:


Todos os conteúdos de produção exclusiva e de autoria editorial do Brasil de Fato podem ser reproduzidos, desde que não sejam alterados e que se deem os devidos créditos.

Visitantes, por favor deixem um comentário::

© 2024.sitemap